19 de dez de 2011

Operação do MP e Polícia Militar prende prefeito de Vila-Flor

O Ministério Público do Rio Grande do Norte deflagrou no início desta segunda-feira, dia 19, a Operação Mensalão da Vila, que investiga o pagamento de vantagem ilícita mais popularmente conhecida por mensalão no município de Vila Flor, uma das menores cidades do Estado, situada no Litoral Sul, distante pouco mais de 70 quilômetros da Capital.

A Operação iniciada nas primeiras horas da manhã, capitaneada pela Assessoria Jurídica Judicial da Procuradoria-Geral de Justiça e pelo Grupo de Atuação Especializada de Combate ao Crime Organizado (GAECO) mobilizou 22 Promotores de Justiça, em parceria com a Polícia Militar, e deu cumprimento a 19 mandados de buscas e apreensões, e a nove mandados de prisões preventivas de pessoas supostamente envolvidas em crimes de corrupção e contra a administração pública, devidamente expedidos pelo Desembargador Dilermando Mota.

Após cinco meses de investigação e contando com a efetiva colaboração do vereador Floriano Felinto, o Ministério Público conseguiu descortinar um esquema amplo de pagamento de vantagens indevidas a grande parte dos vereadores do Município de Vila Flor e promessa de vantagens indevidas, tudo isso pela troca de apoio político em detrimento do exercício da atividade parlamentar.

O mensalão vinha sendo pago a maioria dos vereadores de Vila Flor para que eles aprovassem os projetos de interesse do Chefe do Executivo e, entre outras coisas, não exerçam atribuição fiscalizatória aos atos do prefeito. Valor mensal em dinheiro, bem como a distribuição de outros benefícios como o fornecimento de combustível e até mesmo a oferta de empregos na Prefeitura eram benesses patrocinadas com recursos provenientes do erário municipal de Vila Flor.

Com o cumprimento das ordens judiciais foram presos preventivamente após as diligências o prefeito do município de Vila Flor, GRINALDO JOAQUIM DE SOUZA; o ex-secretário municipal de Administração ANTÔNIO IVANALDO DE OLIVEIRA; o secretário de Obras do município JOÃO FELIPE DE OLIVEIRA; o presidente da Câmara Municipal PEDRO FRANCISCO DA SILVA; e os vereadores IRINALDO DA SILVA, RONILDO LUIZ DA SILVA, AILTON PASSOS DE MEDEIROS, VIDALMIR SANTOS BRITO e MAGNO DOUGLAS PONTES DE OLIVEIRA.

O desembargador Dilermando Mota indeferiu o pedido de levantamento do segredo de justiça da investigação, mas liberou, exclusivamente, a presente divulgação com os vídeos encaminhados anexo.

O Ministério Público do Rio Grande do Norte concederá entrevista coletiva hoje, às 11h30, na sede da Procuradoria-Geral de Justiça, em Candelária, sobre a investigação. O MPRN analisará o material recolhido nas buscas e apreensões e, em tempo hábil, procederá o oferecimento da denúncia acerca dos fatos delituosos investigados.

Fonte: DN
Imagem: Google Maps

3 comentários:

  1. O Brasil está cansado com esses tipos de pilantras, Parabens ao MP pelo brilhante trabalho, em dias em que o povo não acredita mais na justiça vem belo exemplo, também está de parabéns o vereador que diga de passagem tem coragem de mamar em onça, pois agora mais nunca a cabeça está a premio, MP lute pela vida exemplo impar de cidadão brasileiro, exemplo de honestidade, que enche a gente de orgulho e dar uma esperança que venha ser de exemplo que ainda existe honesto (mesmo em raras exceções), mas não importa, que achava que uma andorinha só fazia verão, agora está vendo que quando se quer e se acredita na justiça não só se faz verão mas também se faz inverno, outurno e primavera, querer é poder. E quando se quer, jamais podemos deixar o vencer o bem, ou corrupção tragar a honestidade ou mesmo o medo vencer a esperaça. Entretanto um exemplo de honestida desse só vale vivo, para que mais pessoas sejam motivadas sem temer a seguir esse belíssimo exemplo. MP a vida desse Heroi é extremamente importante, é crucial para democracia...

    ResponderExcluir
  2. MP oferece denúncia à Justiça contra investigados do Mensalão da Vila

    Publicação: 22/12/2011 18:43 Atualização: 22/12/2011 19:44

    Erta Souza, do Diário de Natal


    O prefeito de Vila Flor, Grinaldo Joaquim de Souza, e mais nove pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte à Justiça. Segundo investigação do MP, o grupo era envolvido com o pagamento de vantagens ilícitas por parte do poder executivo municipal aos vereadores da cidade. O caso veio à tona na última segunda-feira quando o MP deflagrou a Operação Mensalão da Vila.
    As pessoas denunciadas pelo MP à Justiça são: Antônio Ivanaldo de Oliveira (comerciante e ex-secretário de administração), João Felipe de Oliveira Neto (secretário de obras), Pedro Francisco da Silva (presidente da Câmara de Vereadores). Além desses, também constam na denúncia do MP os vereadores Irinaldo da Silva, Ronildo Luiz da Silva, Sandro Márcio da Silva, Hilton Felipe de Oliveira, Ailton Passos de Medeiros, Vidalmir Santos Brito e Magno Pontes de Oliveira.
    Por todas as provas coletadas, o Ministério Público pediu também à Justiça, entre outras coisas, o afastamento da função pública do prefeito de Vila Flor, dos vereadores e do secretário municipal e a manutenção das prisões preventivas decretadas.
    Após cinco meses de investigação o Ministério Público conseguiu desvendar um esquema de “mensalão” pago a maioria dos vereadores de Vila Flor, o que foi fortalecido com os novos elementos colhidos com o cumprimento dos mandados de busca e apreensão durante a operação.
    A análise do material e depoimentos dão conta da existência do “mensalão” pago a maioria dos vereadores de Vila Flor para que eles aprovassem os projetos de interesse do chefe do Executivo e não exercessem atribuição fiscalizatória aos atos do prefeito. Valor mensal em dinheiro, bem como a distribuição de outros benefícios como o fornecimento de combustível e até mesmo a oferta de empregos na Prefeitura eram benesses patrocinadas com recursos provenientes do erário municipal.
    A investigação do caso começou após denúncia feita ao MP pelo vereador Floriano felinto sobre como funcionava o esquema. O vereador contou que havia sido procurado para participar do mensalão, mas se recusou e resolveu denunciar. A partir de interceptação telefônica e gravação de vídeos durante as negociações de apuração, o Grupo deAtuação Especializada de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MPE reuniu provas para pedir nove mandados de prisão e 19 de busca de apreensão, cumpridos em Vila Flor, Canguaretama e Natal.

    ResponderExcluir
  3. Este de lixo tem de ser banido da política brasileira, só assim teremos representes compromissados com o bem maior da população e não usar o erário público em prol dos seus próprios interesses, ou seja apenas restritamente particulares... Eles ganhavam do povo muitíssimo bem para não sse apropriarem indevidamente ou de forma ilícita do dinheiro do povo, enquanto eles mamavam nas tetas do dinheiro do povo, faltava papel higiênico, papel ofício; soro fisiologico, ácido acetilsalicílico, dipirona, gases e esparadrapos, enfim faltava tudo... Só não faltava vergonha na cara, agora depois de preso que vergonha colocando papel na cara, porque não pensaram antes...

    ResponderExcluir